appcod.gif
Anuncio02.png

Na SEMA, deputado Dalciso Oliveira trata de licença para empreendimento inédito no RS


Deputado Dalciso Oliveira (E),  secretário Luiz Henrique Viana e a Presidente da FEPAM, Marjorie Kauffmann:  investimento para implementação de uma usina de reciclagem inédita no RS prevê a utilização de resíduos industriais para geração de energia.
Deputado Dalciso Oliveira (E), secretário Luiz Henrique Viana e a Presidente da FEPAM, Marjorie Kauffmann: investimento para implementação de uma usina de reciclagem inédita no RS prevê a utilização de resíduos industriais para geração de energia.

O deputado estadual Dalciso Oliveira (PSB) intermediou reunião na manhã da quinta-feira, 29 de abril, na Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, com a participação do sócio-diretor da empresa Ambiente Verde, Alberto Vainer, e do diretor industrial da Beira Rio SA, João Henrich, para tratar de um projeto inovador para o Vale do Paranhana.


Presentes o secretário Luiz Henrique Viana e a Presidente da FEPAM, Marjorie Kauffmann.

Trata-se de investimento para implementação de uma usina de reciclagem inédita no RS: de pirólise (processo de transformação por aquecimento de uma mistura ou de um composto orgânico em outras substâncias).


O referido empreendimento prevê a utilização de resíduos industriais para geração de energia.


Conforme Dalciso Oliveira, este projeto já está há algum tempo em análise, e hoje foi dado um passo importante para a agilização do processo na SEMA.


“Estamos todos bastante entusiasmados em poder ajudar no processo da instalação, uma vez que pode ser a primeira usina desta modalidade a ser licenciada no RS”, destacou.


Dalciso explicou que, hoje, somente a fábrica da Beira Rio gera algo em torno de 500 toneladas por mês de resíduos e há um estudo do Sindicato atestando que, para cada par de sapato produzido, são geradas em torno de 202 gramas de resíduos. “Levando em conta que são produzidos cerca de 900 milhões de pares no Brasil, isto representaria uma média de quase 200 mil toneladas por ano.


Após a instalação deste projeto piloto, o uso desta técnica poderá ser expandido para outros setores produtivos”, explicou.

Foto: Divulgação.

2 visualizações0 comentário